sábado, 2 de agosto de 2008

Balada em tons de vermelho.

Ela então derramara seu fogo lento/ Sobre tudo que já temos/ Ela então encontra na carne de meu corpo um momento a menos/Ela então arrebentara o amanhecer pintando o céu de minha boca de vermelho/Ela arrebentara minha carne com seu soco certeiro/E pintara os tons de tarde com os seus tons passageiros/Pintora tão distante de punho e riste e sorriso certeiro/Derramara sobre meu coração seu tom de vermelho/E afagara meu cabelo com um gesto de quem arranca com carinho o coração alheio/E pintara minha alma com seus tons de vermelho.

3 comentários:

Camila disse...

pinto um sopro de cor. desesperado

Rubicreide disse...

Eu imaginando o vermelho.

Priscilla Boscariol disse...

nerd´s